sábado, 25 de março de 2017

O DIVINO E O HUMANO - PSICOGRAFIA CRISTICIÍSTA



O ser humano nasce neste planeta com o objetivo de aperfeiçoar o seu conhecimento e exercer o seu direito natural a vida. Este direito natural, vai lhe dar condições de conviver com todas as manifestações criativas que brotam de si próprio, bem como o qualifica para exercer toda a sua liberdade, desde que respeitando os limites estabelecidos pela própria sociedade em que vive. Limites estes, que são de uma gama extremamente elástica, que começa com o respeito, ética e moral, de um ser pelo outro, etc.

A postura pessoal, coloca o Ser em conflito com todas as ações que são partes integrantes da sociedade em que vive, as vezes atingindo a fidelidade, o sigilo e a confiança mútua.

A vida em sociedade requer reflexão, e esta, determina a postura e, por conseguinte a tomada de posição e a decorrente ação. A ação é o maior momento do Ser. Quando ele deixa de agir, ele perde a oportunidade de se sobressair, realizar, se impor, crescer, se valorizar e fazer valer os seus direitos e obrigações.

Às vezes as pessoas extremamente benevolentes, são mal compreendidas e tidas como criaturas sem pulso, ou seja, “boazinhas demais”. Quem se acomoda ou confia demasiadamente, está sujeito a cometer grandes erros. Nunca se deve confiar demais em ninguém, principalmente quando estas pessoas têm sobre a sua guarda, valores de toda a natureza. Jesus ensinou: “Orai e Vigiai”.

Todas as religiões têm um Deus, seja “ele” quem for. Os súditos não podem blasfemar contra o Deus da sua religião, por mais imperfeito que ele possa parecer. Neste caso, o mais honesto seria mudar de religião, assim que estiver certo da sua mudança de convicção. Isto é uma oportunidade sem precedentes, principalmente, porque quem possibilitou esta oportunidade, colocou no seu caminho, pessoas que o ajudaram a crescer e se tornar alguém na vida, através das diversas experiências da convivência social. Quem ler os salmos de Davi na bíblia do antigo testamento, verá que o salmista pede a Deus que puna seus inimigos, que exerça seu poder contra aqueles que o querem destruir. Davi travou sérias batalhas, alicerçadas na sua fé contra tribos invasoras. Mas, ninguém gosta de ser julgado e condenado sem direito a defesa, apenas por suposição. Não se pode julgar ninguém por estimativa, nem mesmo o seu próprio Deus.


Ninguém pode ser avaliado por um único ato, quebrando o sigilo e a confiança, que deve existir entre o que exerce o poder e o que foi nomeado para representá-lo. A perda de confiança é um ato político, de extrema gravidade. Na luta do humano contra o divino, quem vencerá? O bom senso, o poder, a avaliação, o amor ou o caos?


Psicografado por Adilson T. de Godoy
Mentor: D.Adyan
Ordem Espiritual Crística
Filosofia Cósmica do Poder Divino Integralizado
www.cristiciismo.com.br
www.filosoficacristiciista.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por deixar seu comentário.